Oscar 2017: entrando para história

O que dizer sobre essa cerimônia do Oscar 2017, que começou levinha e terminou entrando pra história com um dos maiores micões lives? Brincadeiras a parte, a premiação teve muitos pontos altos e baixos, mas terminou de uma forma convincente, premiando os melhores em cada categoria (Apesar do prêmio de Casey Afleck, como melhor ator, ter sido alvo de indignações) e reunindo os maiores artistas da atualidade em um festa livre de discriminações e cheia de manifestações pró liberdade e contra o presidente dos EUA Donald Trump.

Confira agora alguns pontos chaves da maior festa do cinema mundial, transmitida em 245 países, e que este ano foi comandada pelo apresentador Jimmy Kimmel:

Apresentações Musicais

Na abertura da festa tivemos o privilégio de ouvir a chiclete “Can’t Stop The Feeling”, de Justin Timberlake, que abriu as apresentações das canções concorrentes na categoria de melhor canção original. Foi uma performance bonita, que contagiou os artistas presentes e alegrou o começo da festa. Em seguida foi a vez da música de Moana, “How Far I’ll Go”, cantada pela artista Auli’i Cravalho.

giphy.gif

Giphy/ Oscar 2017

GettyImages-645668902.w710.h473.jpg

Kevin Winter/Getty Images

Sting, do The Police, fez uma apresentação belíssima da música “Empty Chair”, do documentário “Jim: James Foley Story”. Por fim, o lindo John Legend substituiu os vocais de Emma Stone e Ryan Gosling ao cantar “City of Stars” e a música da audição da personagem Mia, no filme La La Land (lindo demais <3)

Manifestações contra Trump

Sempre que algum artista tinha oportunidade, falava-se sobre a estúpida medida de Trump de proibir a entrada de imigrantes no país norte-americano.  A própria presidente da academia entrou para falar sobre como o cinema ajuda a compartilhar e educar sobre as diversas problemáticas sociais mundo a fora. Foi um excelente discurso, uma real/oficial sambada na cara da presidência de Donald Trump.

O ator Gael Garcia Bernal também falou sobre a questão dos imigrantes, como mexicano, fez um breve discurso sobre a questão do muro que Trump insiste em colocar para barrar a entrada de pessoas do México para os Estados Unidos.

Durante a premiação o apresentador Jimmy Kimmel chegou a dizer que Trump faria comentários no Twitter após o Oscar, e marcou o presidente em um tuíte, perguntando se o mesmo estava acordado. HAHAHA!

Vencedores

O vencedor do primeiro Oscar de melhor coadjuvante foi o ator do filme “Moonlight”, Mahershala Ali, considerado uma das maiores revelações da temporada. Suicide Squad ganhou Oscar por melhor maquiagem.

O Oscar de melhor documentário foi para “O.J: Made in America”, que conta em pouco mais de 7h de filme, sobre vida do ex-jogador de golfe, OJ Simpson, famoso pelo julgamento do século, onde foi acusado do homicídio da esposa Nicole Brown.

O Oscar de Atriz coadjuvante foi para Viola Davis, pelo filme Fences – Um limite entre nós. O discurso de Viola sempre é um dos mais emocionantes. Desta vez ela falou sobre suas inspirações na maneira com qual conta histórias e de como certas pessoas ajudaram-na a estar onde está hoje: no pódio de um dos melhores atores do mundo.

A Disney ganhou triplamente com o Oscar de curta de animação em Piper, melhor Animação com Zootopia e melhor efeitos visual, com The Jungle Book.

O prêmio para o melhor filme de língua estrangeira foi The Sales Man (BR: O Apartamento). O discurso foi feito por representantes do diretor, pois o mesmo não compareceu em boicote às mais de 60 nações que foram desrespeitadas pela medida idealizada por Trump. O discurso falou sobre como dividir o mundo como nossos inimigos cria medo, guerras e impede o desenvolvimento dos países.

Os prêmios mais aguardados da noite eram para o musical La la Land: cantando estações, que foi indicado em 14 categorias. Dessas, o filme ganhou como melhor desenho de produção, melhor fotografia, trilha sonora  e melhor canção com a bela “City of Stars”. Além desses, Emma Stone ganhou o Oscar de melhor atriz, prêmio merecido pelo papel da jovem sonhadora, e Damien Chazelle, de apenas 32 anos, ganhou como melhor diretor.

O filme “Manchestar à Beira Mar” ganhou o prêmio por melhor roteiro original e melhor ator, consagrando o ator Casey Affleck. O prêmio foi considerado um erro para alguns atores presentes, pois Casey esteve envolvido em um escândalo de abuso sexual, ocorrido durante as filmagens de um documentário do qual dirigiu. Tenso.

Entrando para história

Jimmy Kimmel alegrou a noite com uma três chuvas de doces dentro do teatro. Além disso, ele foi responsável por orquestrar uma brincadeira com pessoas que faziam uma excursão por Hollywood. Esses turistas achavam que iam entrar em uma exposição, mas acabaram entrando em um local privilegiado: a primeira fileira da apresentação do Oscar. #queriaeu.

landscape-1488162779-candy.gif

Jovem Nerd 

Teve homenagem ao Jack Chan, aos artistas que faleceram em 2016 e no começo de 2017, como o diretor Hector Babenco e a atriz Carrie Fisher. Tivemos também o depoimento de amantes do cinema de diferentes lugares do mundo. Representando o Brasil, tivemos Lázaro Ramos e Seu Jorge falando sobre seus filmes preferidos e o modo de como são produzidos.

Vimos alguns depoimentos de vencedores do Oscar sobre outros vencedores que os inspiraram a fazer cinema e a atuar. O carro do filme “De volta para o futuro” apareceu no palco, juntamente com o ator principal do filme Michael J. Fox.

Os mean tweets foram um ponto chave da premiação, onde atores como Ryan Gosling, Eddie Redmaine e Natalie Portman liam tweets que falavam mal deles hahaha hilário.

Por fim, a última categoria de melhor filme foi o maior destaque da noite. Os apresentadores leram o cartão errado e acabaram premiando La La Land como melhor filme. Porém, já no meio dos discursos a equipe técnica viu o equívoco e avisou os vencedores de que o filme “Moonlight” seria o real vencedor. Kakakakkakakakak beeeem Miss Universo não é?

gettyimages-645729812 (1).jpg

Getty Images

Definições de notícias verdadeiras durante o Oscar

Segundo a reportagem do Meio e Mensagem, Durante o intervalo do Oscar, o New York Times lançou uma campanha com o tema “verdade”, chamada de “Truth is Hard”. O pequeno filme traz a importância das investigações no jornalismo e das opiniões dadas nos maiores veículos de comunicação. A campanha faz parte de uma espécie de crítica aos discursos de Donald Trump, que recentemente tentou barrar o trabalho de alguns veículos de imprensa.

No Twitter, Trump criticou a campanha, dizendo que “é a primeira vez que o fracassado NYT faz um anúncio para salvar sua reputação”.

Vocês curtiram o Oscar desse ano? Deixem comentários sobre suas impressões da cerimônia desse ano e sobre a cobertura do RPManaus nas redes sociais

Vanessa Rocha – Assessora de Comunicação do RPManaus e acadêmica de Jornalismo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s