O que rolou na XII Feira Norte do Estudante?

No primeiro momento, os palestrantes convidados pelo RPMANAUS contaram brevemente sobre suas experiências no mercado de trabalho em que atuam. Sheila Benjamin (relações-públicas) começou na publicidade e também era amante de fotografia. Hoje ela trabalha na área de gerenciamento de projetos, como atendimento da agência digital Fermen.to. Bruno Zanardo (Publicitário) é fotografo e também trabalhava com filmes no início da carreira.

Hoje ele pode contar sobre diversas experiências de trabalho em grandes eventos como a Copa do Mundo, Olimpíadas e São Paulo Fashion Week. Jacqueline Nascimento (Jornalista) tem uma vasta experiência na área de assessoria de imprensa. Atualmente é jornalista na Assessoria de Comunicação da Universidade do Estado do Amazonas.

Alguns dos principais temas abordados durante a palestra foi a importância de trabalhar fazendo o que gosta, principalmente na área de comunicação pois exige bastante dedicação da parte do profissional, que muitas vezes deverá dedicar tempo extra da sua vida. Bruno, por exemplo, conta que já chegou a ficar trabalhando dois dias seguidos em um Studio e que dava apenas um cochilo no próprio local e depois voltava a trabalhar. Sheila também disse que já chegou a sair às 17h da agência e ter que voltar às 20h, é algo que possivelmente pode acontecer e você realmente precisar gostar do que faz para estar pronto a viver situações como essas.

A importância das Relações Públicas

Para Bruno, o RP é muito importante para a construção da imagem de uma empresa, e tudo deve ser pensado na hora de fotografar, pois fotografia estará representando a imagem daquela pessoa, ou empresa, e através dela pode ser passado uma imagem que pode ter diferentes interpretações, e é a partir disso que o RP pensa, qual será o público a qual será direcionado esta foto? O que eu quero transmitir com ela? O RP pode alinhar essas questões com o objetivo daquela pessoa ou empresa.

Os palestrantes consideram que as Relações Públicas é a parte mais importante de uma empresa e de todo o processo comunicacional dentro dela e que deveria ser mais valorizada, Sheila inclusive contou que no início na carreira sofria um certo preconceito e sempre tinha dificuldade para explicar sobre o que fazia.

A diversidade do Mercado de Comunicação

O que eu quero fazer na área de comunicação? Dá para fazer muita coisa…

Foco é importante nessa hora, e por isso que existe feiras como essa, para ajudar os estudantes a escolherem uma profissão. Os palestrantes convidados por exemplo circularam por diversas áreas e isso foi importante para eles se encontrarem e fazerem o que mais gostavam e isso será descoberto na faculdade ou nas suas experienciais profissionais. Um ponto importante que a Sheila observou durante a palestra foi “O seu colega de faculdade hoje, pode ser seu chefe amanhã’’, então a dica dela para quem quer atuar no mercado de comunicação é começar a fazer contatos dentro da academia.

Uma outra questão que se deve justamente a essa diversidade que o mercado de comunicação oferece é a possibilidade de uma pessoa fazer muitos trabalhos diferentes na área, por exemplo “Ah eu gosto de redação, mas também gosto de ilustrar, gerenciar, atender, assessorar” e assim vai.

Todos os palestrantes ressaltaram a importância de escolher da área que mais você tenha maior afinidade, pois a probabilidade de você fazer várias coisas e na verdade não ser bom em nenhuma é grande, além de que se você prestar vários serviços você provavelmente não vai cobrar o preço justo por eles e estará prejudicando outros profissionais que trabalham exclusivamente com aquilo.

Bruno por exemplo contou que antes ele fotografava e editava mas percebeu que isso tomava mais o seu tempo e na verdade ele queria ser fotografo e não editor, então hoje ele apenas fotografa e deixa a edição para uma segunda pessoa. Então se você for contratado para ser social media você não tem a obrigação de saber sobre designer, e se você sabe os fazer os dois e cobra pelo preço de um profissional, estará contribuindo para a prostituição do mercado e possível desvalorização de futuros profissionais da área. Esse foi o alerta deixado.

Outro tema importante debatido durante a feira do Estudante foi a respeito do novo mercado de comunicação, sobre algumas mudanças que estão acontecendo

Vender a ideia e não um produto

Hoje as empresas tentar vender uma ideia e não um produto, a ideia de que você usando tal produto pode ter mais benefícios como maior tempo com a família, mais comodidade, menos despesas, e não ressaltam mais tanto as qualidades que o produto tem, mais sim o que ele pode trazer de bom para a sua vida, ou seja um aspecto mais humanístico.

A velocidade da informação.

Jacqueline lembra que hoje ninguém mais espera o jornal de amanhã sair para saber a notícia. É tudo agora, no mesmo momento, e o profissional de comunicação tem que estar sempre atento, ela por exemplo diz que algumas vezes não sabia de algo que estava acontecendo na internet, mas que as pessoas sabiam, e ela como profissional de comunicação que está sempre nesse meio também pode ficar para trás de vez em quando.

OS MEMES da internet

Para Sheila, 2016 foi o ano dos memes e que inclusive se tonaram uma estratégia muito utilizada na internet pelas marcas para se fazer uma comunicação mais criativa e tentar atrair o público, que está cada vez mais inteligente.

Há um novo contexto na internet muitas pessoas estão ingressam na web é se tornam comunicadores, chamados os blogueiros ou vlogueiros, é uma nova sensação, as marcas, programas de TV estão utilizam do dessas pessoas para ganhar audiência, eles são os novos formadores de opinião, dão dicas de beleza e alimentação e tem milhões de seguidores nos seus perfis.

E para fechar o debate da XII Feira Norte do Estudante, foi feita a seguinte pergunta:

O mercado está em crise ou não?

Bruno Zanardo acredita que “o mercado está vivendo um período de transição e que os profissionais não estão sabendo lhe dar com isso”, hoje o foco não é mais a quantidade de público que foi atingido e sim quanto desse público realmente é o meu público? É uma questão de trabalhar estrategicamente.

É uma nova fase da comunicação que temos o prazer de estar vivendo e que os futuros comunicadores também devem estar preparados para viverem esse novo mercado.

No final os palestrantes responderam dúvidas a respeito de salário e mercado de trabalho em Manaus e ainda sortearam brindes aos estudantes.

A família RPManaus agradece imensamente o convite da organizadora da Feira Norte do Estudante, Inês Dauo. Desejamos vida longo! Até 2017!

Por: Sabrina Silva (publicitária e integrante da RPManaus)

Explorar o inexplorado. Essa é a essência das decisões estrategicamente tomadas.

Paixão. Apaixonar-se pela profissão é, de longe, o primeiro passo a ser dado. Paixão por comunicar, por criar, por mudar um pedacinho do mundo através de palavras, imagens e estratégias.

Propósito. Alcançar o inalcançável. Explorar o inexplorado. Essa é a essência das decisões estrategicamente tomadas.

Pessoas. Alcançá-las e atingi-las de forma única e memorável. Despertar sentimentos e permitir conhecer a arte da comunicação integrada, onde um todo completa outro, resultando em um megazord de criatividade.

Parcerias. Estender a mão e pedir auxílio. Permitir que toda ajuda seja bem-vinda e compreender que todos precisam de uma mão amiga. Todos andam lado a lado, aplaudindo o sucesso do outro e apoiando quando for preciso.

RPManaus, nossa missão é acelerar talentos e disseminar as relações públicas no Estado do Amazonas.

Por: Mariana Padella, acadêmica de Publicidade e Propaganda e social media da RPManaus.

02102016_novacapa

Veja como será a participação do RP Manaus na Feira Norte do Estudante

Com o tema ‘O mercado da comunicação’, o evento será realizado nesta quinta-feira (29), às 16h30, na Sala Nelson Mandela. Inscrições ainda estão abertas.
A Feira Norte do Estudante (FNE) é considerado um dos maiores eventos de integração entre estudantes, profissionais e instituições de ensino. A ação chega na sétima edição repleto de desafios e atrações para jovens que ainda não decidiram qual profissão ingressar no mercado de trabalho. Para diminuir as constantes dúvidas dos alunos, a Iniciativa RP Manaus chamou três comunicadores experientes para palestra com o tema ‘O mercado da comunicação’.

A palestra será realizada nesta quinta-feira (29), às 16h30, na Sala Nelson Mandela, no Centro de Convenções Manaus Plaza Shopping, localizado na Av. Djalma Batista, 2100 – Parque Dez de Novembro. As inscrições ainda estão abertas e podem ser feitas através do link http://www.feiranortedoestudante.com.br/index.php?q=324-lista-12167-inscreva-se

Participando pela primeira vez do FNE e com cinco anos de existência, o RP Manaus convidou Jacqueline Nascimento (Jornalista da Unversidade do Estado do Amazonas), Bruno Zanardo (Publicitário) e Sheila Bejamin (Relações Públicas) para serem os porta-vozes da iniciativa no evento.

Os convidados falarão sobre as experiências, vivências e aprendizados no mundo da comunicação. Além disso, eles darão dicas para aqueles que pretendem ingressar em alguma profissão da área.

Para a Coordenadora de Planejamento do RP Manaus, Carolina Xavier Falcão, a importância da iniciativa estar em eventos como esse credenciam ainda mais a iniciativa como um dos maiores grupos de comunicadores do Brasil. Além disso, mostrar para alunos do ensino médio que a área da comunicação ainda é uma opção.

“O interessante da Iniciativa RP Manaus estar nestes eventos é mostrar área da comunicação. É basicamente esse o foco do ‘Cresci, que caminho seguir?’, que é dar palestra nas escolas para alunos do terceiro ano e mostrar que há outros caminhos a serem trilhados além de cursos tradicionais como engenharia, medicina e direito. Queremos mostrar que a Comunicação é uma opção”, disse.

Saiba mais

A Feira Norte do Estudante desde 2010 recebe mais de 35 mil visitantes. Na edição deste ano contará com programação de palestras sobre profissões e temas diversos, como empreendedorismo e mercado de trabalho, além de testes vocacionais, simulados, sorteios e uma área de exposição, chamada “Salão de Oportunidades”. O evento ocorrerá até o dia 30 deste mês, das 9h às 22h.

Por: Klauson Dutra, acadêmico de Jornalismo e assessor de comunicação da RPManaus.

 

wpp-1

GRANDES IDEIAS INOVADORAS: Instituições Nelly Falcão de Souza

Para a segunda edição da série: Grandes ideias inovadoras, convidamos a Professora Nelly Falcão para contar um pouco sobre suas experiências como empreendedora educacional, sua visão de mercado e suas perspectivas para o futuro da educação no Amazonas.

_MG_9145.JPG

Empresária Nelly Falcão de Souza

Nelly Falcão de Souza Mestre em Educação pela Universidade Federal do Amazonas e graduada em Pedagogia. No ano de 1995 iniciou sua vida profissional na direção do Jardim da Infância “Chapeuzinho Vermelho” nos anos de 79 e 80, passando a proprietária e diretora  do Pinocchio Centro Educacional (1981), destinado à Educação Infantil.

 Em 1986, fundou o Centro de Educação Integrada Professora Martha Falcão, com Ensino Fundamental e Médio. Em 2000 criou o IESA – Instituto de Ensino Superior da Amazônia, tendo como mantida a Faculdade Martha Falcão para atender o Ensino Superior, com os cursos de: Administração Financeira, Administração do Meio Ambiente, Direito, Pedagogia, Ciências Contábeis, Psicologia e Design; de Pós Graduação (Lato Sensu). Há 25 anos mantém a Creche Zezé Pio de Souza, através da Fundação Geraldo Pio de Souza, instituição sem fins lucrativos de utilidade pública que atende a crianças carentes do bairro da Redenção, na cidade de Manaus-AM, ainda no mesmo local, tem o Núcleo de Alfabetização de Jovens e Adultos carentes.

Em entrevista ao RP Manaus, a educadora faz análises sobre a educação no estado do Amazonas. Confira a entrevista completa abaixo:

RP Manaus: Qual foi a motivação para empreender no ramo da educação?

“Foi a minha paixão pela educação que veio de berço.”

RP Manaus: Quais foram/são os seus maiores desafios como gestora?

“Os maiores desafios: montar uma equipe qualificada e comprometida para executar o nosso Projeto Político Pedagógico, conquistar a confiança da sociedade em nossa proposta educacional, superar as dificuldades impostas pela falta de incentivo do poder público e a falta de valorização com as causas educacionais, não é fácil empreender na área do ensino privado.”

RP Manaus: Como se encontra a educação atual do país, principalmente da região Amazonica? De que forma a INFS colabora para a inclusão das classes mais baixas na educação?

“A educação brasileira, de modo geral, ainda está muito aquém de ser referência no panorama mundial, está entre as piores no ranking da UNESCO, principalmente o Ensino Básico.  No Amazonas, infelizmente a qualidade da educação ainda é pior, sendo o ensino público o responsável por esse desprestígio da educação em nosso Estado, salvo exceção o ensino privado, que contra balança essa situaçãocom destaque para o ensino básico.As INFS contribuem para inclusão das classes menos favorecidas, através de um trabalho sócio educacional desenvolvido há 25 anos na Creche Zezé Pio de Souza, para crianças pobres de 2 a 6 anos idade que recebem educação, alimentação e assistência psicológica. A Creche fica na Rua Estrela Rajada, Bairro da Redenção. A Creche também abre oportunidade para estágios e projetos dos cursos de pedagogia, psicologia, licenciaturas, entre outros. Os alunos das nossas instituições particulares são principais responsáveis em desenvolver projetos de responsabilidade social.”

RP Manaus: Sabemos que a sociedade atual está vivenciando um colapso de informações e muita gente diz que quanto mais informação, menos sabedoria é agregada. Como gestora de educação, qual é o seu posicionamento quanto a isso? A senhora acha que essa globalização mais ajuda ou atrapalha no aprendizado das pessoas?

“De fato hoje vivemos a era da informação em consequências da velocidade dos meios de comunicação e a facilidade do acesso através das novas tecnologias.

O que fazer com tantas informações? Eis o grande desafio das escolas, fazer a gestão desses conhecimentos para que o aluno adquira competências e habilidades para aplicar o conhecimento adquiridos no exercício de sua profissão.

A Globalização contribuiu sim na socialização das informações, estreitou as distâncias, tornou o mundo plano, partindo desse ponto de vista , ela ajudou na aprendizagem das pessoas. Porém há também o lado negativo, principalmente quando se fala em mercado de trabalho, pois diminui as oportunidades de empregos, além das perdas de raízes culturais, e respeito a diversidades.”

RP Manaus: O que a senhora deseja pra essa nova geração de profissionais que estão adentrando a área de educação, do magistério agora e quais dicas a senhora pode dar para eles?

“Desejo que nunca desistam de exercer a profissão que escolheram por se sentirem vocacionados, o magistério, por exemplo, é para quem tem vocação. Somente com bons professores é que podemos mudar a cara da educação brasileira e consequentemente a educação do Amazonas. E minhas dicas são o amor pelo trabalho, estudar sempre, adequar-se ao contexto, dominar a tecnologia, gostar de lidar com pessoas, de pesquisa e de desafios.”

 

Assessoria de Comunicação, Carolina Xavier Falcão, estudante de relações públicas, na Universidade Federal  do Amazonas