Retrospectiva RPManaus: Ano da maturidade, novos integrantes, parcerias e eventos

2016 está acabando e chegou a hora de fazer a tradicional retrospectiva. No ano onde a crise assolou diversos setores do país, a criatividade foi um dos principais pontos para conseguir uma renda extra, novas parcerias e empreender de maneira inteligente. Com cinco anos de existência, o RPManaus passou por todo esse processo e ainda adquiriu um ponto essencial para progressão de qualquer projeto: Maturidade.

A idealizadora da Iniciativa RPManaus, Ana Clarissa Cavalcante ainda classifica o ano como estratégico. “foi um ano de criarmos maturidade para o RPManaus onde todos os trabalhos foram pensados estrategicamente para entregar a melhor experiência para os nossos seguidores e parceiros. Seja em eventos realizados ou conteúdos. Trabalhamos com conteúdos estratégicos e temas de eventos atuais onde vai além de encontros. Internamente arrumamos a casa, com a chegada de vários integrantes, nos organizamos, evoluímos em todos os aspectos”, disse.

Em 2016 a nova geração do RP também foi apresentada. Após uma grande seletiva, 14 acadêmicos de jornalismo e publicidade foram selecionados e distribuídos para as áreas internas da iniciativa. Acadêmico de Publicidade Propaganda do 5º período da Faculdade Martha Falcão, Patrick Viana, foi um dos selecionados para compor a equipe. “O processo foi muito bom, os jobs foram todos executáveis é bem pra cada área mesmo e as dinâmicas foram bem atuais e foram realmente pra ver a competência em algumas coisas. Eu resolvi entrar mesmo pra adquirir algum tipo de experiência na área já que eu não havia consegui nenhum estágio. Mas depois que entrei me apaixonei por essa área de eventos e hoje sei que o aprendizado é muito maior”, salientou.

Ao todo, o RPManaus realizou quatro eventos em 2016: V Mesa Redonda RP Manaus: Empreendedorismo sem gravata, VI Mesa Redonda sobre Blogueiros x Jornalistas,  debate sobre a série britânica Black Mirror e por último o Espaço Aberto: O Mercado de Comunicação em Chamas. O primeiro evento, que foi realizado no inicio do ano, entrou para a história da iniciativa pelo número de participantes em uma edição.

12901297_982008025167552_6285129647443628282_o

Mesa-Redonda: Empreendedorismo sem gravata

Além dos eventos internos promovidos pela RP, a iniciativa também participou de ações externas: Virada Sustentável, Bate-Papo com os acadêmicos de Jornalismo da UFAM e Publicidade da UniNorte,VII Feira Norte do Estudante, Empreendedorismo do curso de Engenharia de Alimentos, Semana de Atividade de Publicidade organizado pelo IFAM e “Encontro de Relações Públicas: Porque Mercado é Relacionamento”.  Nathalya Brandão (coordenadora da área de Comunicação e Inovação), Carolina Xavier Falcão (Coordenadora de Planejamento Estratégico) e Ana Clarissa Cavalcante representaram a iniciativa nos eventos.

14522819_1117665124946770_6754209769292973722_n

Fórum de Comunicação FAPCOM 2016

Além de novos integrantes e eventos, a RP também atualizou a lista de networking com a vinda de grandes parcerias. Local Hostel (Rua Dona Libânia, 215 – Centro), Empresa Jr. Empel (da Universidade Federal do Amazonas), Vila Hub (avenida do Sol, sem número- Conjunto Morado do Sol)  e o Conselho Regional de Relações Públicas foram algumas das aquisições em 2016.

14494776_178121592594501_5639964872168598655_n21704_580324458808154_5894288596707404622_n

10866151_353198348220726_487121103750141605_o15267595_206282246446266_2933042090434331184_n

Redes Sociais

Em 2016 as redes sociais da RPManaus bombaram. O instagram (@rpmanaus), Snap Chat(rpmanaus), Twitter (@rpmanaus) e facebook renderam grandes postagens e views.

As que mais se destacaram foram As seis lições de Comunicação Integrada com os Backstreet Boys (com mais de 23 mil alcance) e 14 profissionais de publicidade que você precisa conhecer (14 mil de alcance).

captura-de-tela-2016-12-26-as-13-16-15

No total, mais +133.849 mil pessoas alcançadas só no facebook. O Instagram, Snapchat e Twitter também obtiveram resultados expressivos. No twitter, por exemplo, grandes eventos internacionais como Miss Universo, VMA e American Music Awards foram transmitidos com impressões: 239.500 mil pessoas alcançadas e visitas: 6.637 mil visitas  além de +344 menções.

Blog

O ano também foi bastante produtivo no blog oficial do RP Manaus. Ao todo, foram 51 postagens e mais de 56 mil acessos. Além disso, permanece sendo um dos poucos sites que aborda a comunicação integrada, sendo principal ponto de acesso principalmente entre acadêmicos e especialistas do meio na região Norte.

captura-de-tela-2016-12-26-as-13-21-58

Expectativa

Para 2017, a iniciativa RPManaus vai continuar oferecendo eventos e colocando em prática alguns projetos como exemplo: Gestão de carreira, AutoConhecimento, Cresci, que caminho seguir? Laboratório de Comunicação, Visitas técnicas é o que podemos adiantar para os nossos seguidores e fãs são essas novidades. Mas tem vários projetos legais para 2017, onde vamos aproveitar as férias e montar todo nosso planejamento.

RPManaus há cinco anos fomentando e disseminando a importância das atividades das relações públicas e promovendo debates na área de comunicação, marketing, empreendedorismo num lugar só. Agradecemos a todos os parceiros, integrantes, palestrantes, apoiadores, profissionais, acadêmicos que estiveram presentes esse ano de 2016 em nossos eventos e redes sociais.

Valeu por compartilhar experiência, conhecimento e acima de tudo sua contribuição com o nosso mercado de comunicação e marketing do Amazonas.

Que 2017 seja um ano de realizações maravilhosas!

2 RETRORP.png

Redatores: O trágico declínio da era digital

(Este texto expressa uma opinião pessoal, qualquer pessoa é livre para discordar e deixar seus pontos de vista sobre o tema).

Por: Ricardo Faga

Como estamos prestes a entrar em mais um evento bem bacana sobre a relação do trabalho dos profissionais de comunicação (o Mercado da Comunicação em Chamas, feito pelo RP Manaus), vou deixar a polêmica do mês aqui haha. Nos últimos anos, o crescimento acelerado e sem planejamento correto das redes sociais nos meio de comunicação afetou negativamente uma classe de trabalhadores essenciais para a publicidade, o jornalismo e as relações públicas: os redatores. Vou dar alguns exemplos do que acontece.

Quando as empresas começaram a direcionar suas forças para o meio digital, tudo era mais simples, se gastava muito pouco para garantir que a mensagem chegasse aos seus públicos.

Como não existia a profissão de social media nos primórdios das redes, geralmente os profissionais de redação eram os mais qualificados para alimentar blogs e gerar conteúdo.

Porém, tanto para os clientes como para as agências, sempre ficou esse clima de “não precisamos gastar muito dinheiro para colocar nosso conteúdo no Facebook”, o que geralmente acarreta em salários desvalorizados e uma completa falta de certeza em um futuro de carreira na área (fala a verdade, me diz com sinceridade se você se imagina se aposentando nessa profissão. Sem falar na quantidade de empresas que sequer cogitam aumentar seu salário ou até mesmo assinar a sua carteira [o que deveria ser o básico, né?]).

A grande verdade é que dá pra contar nos dedos de uma mão só quais são as empresas com foco no digital que não vão transformar a vida de quem trabalha com redes sociais em um inferno. Se você estivesse escrevendo aquele release pro jornal ou bolando aquele roteiro delícia para os spots da próxima semana do cliente, com certeza você não estaria recebendo mensagens horríveis no grupo do Whatsapp às 15h da tarde de um domingo porque alguém resolveu reclamar do cliente no Instagram dele. Tenho certeza absoluta que você não perdeu todo seu tempo em cursos de redação e quatro anos de faculdade pra ouvir todo o tempo “o cliente pediu pra você responder fulano”, “apaga esse post, agora!” ou o famoso “o que você está fazendo é bom, mas podemos melhorar ainda mais” (como se o “podemos” não fosse algo que você vai fazer sozinho, de qualquer forma).

O ponto onde eu quero chegar é: trabalhar com redes sociais não é uma merda, mas a maneira que o mercado conduz com certeza é. Tenho segurança em afirmar que você que acabou de sair da faculdade de jornalismo adoraria cobrir uma matéria importante ou escrever para uma coluna sobre algum assunto que você se especializou do que alimentar aquele blog chato que é 110% curadoria que ninguém lê de verdade. Ou você, RP, que sempre quis trabalhar com gerenciamento de crises ou investir seu tempo em projetos que realmente melhoram a vida de outros RP, mas está sem tempo de levar seus projetos adiante porque se você não fizer essa postagem “urgente” sobre o Dia Interamericano de Blábláblá o seu cliente vai reclamar. Não pense que eu esqueci de você não, redator publicitário, que queria fazer um portfólio bacana, cheio de roteiros e anúncios bonitos, mas virou replicador de conteúdo daquele cliente chato, que não quer saber das suas ideias e só precisa de você pra colocar aqueles posts sobre “1001 dicas de como Blábláblá” no ar.

A sensação que fica é a de que pegaram profissionais de diversas áreas diferentes, com competências totalmente diferentes e jogaram todos no mesmo balaio (até parece que você não se incomoda com aquela “Vaga para redação online: procuramos profissionais formados em Jornalismo, Letras, Publicidade, Relações Públicas ou Marketing. Pacote Adobe é diferencial.”). Chegamos em uma época em que já convivemos com o mundo digital há uns bons anos, mas mesmo assim essa situação não se regularizou, não existe uma classe 100% voltada para esse meio saindo das faculdades e muitas das pessoas que sentiram na pele a falta de organização no começo ainda sentem dificuldades para sair da área e conquistar os empregos que procuravam para suas carreiras.

Na minha opinião, é imprescindível que o mercado valorize de verdade os profissionais que trabalham com redação nos meios digitais e dê mais abertura para demarcar onde cada um deles se encaixam, senão vai chegar o dia em que ninguém vai querer mais trabalhar com isso.

É o que eu digo pra todo mundo que vive essa situação e não aguenta mais: procure dar valor para os seus projetos paralelos e vá atrás de algum lugar que te valorize, você não vai querer passar nervoso pro resto da vida.

Ricardo Faga, formado pelo Mackenziee já trabalhou com clientes como Natura, Johnson & Johnson, GJP Hotels & Resorts, Scania, Budweiser, entre outros.

Explorar o inexplorado. Essa é a essência das decisões estrategicamente tomadas.

Paixão. Apaixonar-se pela profissão é, de longe, o primeiro passo a ser dado. Paixão por comunicar, por criar, por mudar um pedacinho do mundo através de palavras, imagens e estratégias.

Propósito. Alcançar o inalcançável. Explorar o inexplorado. Essa é a essência das decisões estrategicamente tomadas.

Pessoas. Alcançá-las e atingi-las de forma única e memorável. Despertar sentimentos e permitir conhecer a arte da comunicação integrada, onde um todo completa outro, resultando em um megazord de criatividade.

Parcerias. Estender a mão e pedir auxílio. Permitir que toda ajuda seja bem-vinda e compreender que todos precisam de uma mão amiga. Todos andam lado a lado, aplaudindo o sucesso do outro e apoiando quando for preciso.

RPManaus, nossa missão é acelerar talentos e disseminar as relações públicas no Estado do Amazonas.

Por: Mariana Padella, acadêmica de Publicidade e Propaganda e social media da RPManaus.

02102016_novacapa

O que o Relações Públicas deve oferecer aos Jornalistas

Extraído do livro: Em contato com Mídia (Manual do Assessorado)

Todo jornalista busca a informação exclusiva, o “furo de reportagem”.Entretanto, ao oferecer isso ao repórter, o assessorado tem de ter consciência de que está priorizando o profissional de um veículo em detrimento dos demais. E isto tem implicações no relacionamento com os demais profissionais da mídia.

O “furo de reportagem” não é incumbência da assessoria de imprensa. É fruto do trabalho do repórter no trato com as suas fontes, dentre as quais se inclui o assessorado. O objetivo da assessoria é mais amplo e se efetiva através de multiplicidade de Relações Públicas com a imprensa em geral. Ainda que, em dado momento, a divulgação de certa informação se efetive de forma exclusiva.

Para começar, um release conciso, que vá direto ao ponto, onde as informações e dados estejam organizados, auxilia bastante o trabalho do profissional da comunicação.

Ou uma sugestão de pauta interessante, com um enfoque criativo para a abordagem do assunto, que pode ser plenamente capaz de “seduzir quem esteja na redação”.

Mas, além disso, convém que o assessor de imprensa esteja “achável”, seja acessível, porque a informação obtida direta da fonte tem muito mais peso e credibilidade. Por isso os telefones, e-mail têm de estar ligados e conectados sempre, facilitando o acesso através de qualquer telefônica. Independente da hora ou do que se esteja fazendo, não custa atender, mesmo que seja para informar o retorno da chama mais tarde.

A credibilidade do assessor diante da mídia e da sociedade também é importante, pois um nome pode dizer muito. Este é um ponto que o assessorado deve considerar na hora de contratar os serviços de assessoria, porque a boa ou má reputação profissional do assessor será sempre associada à imagem da organização. E como se trata de formadores de opinião, o conceito que os jornalistas estabelecerem, invariavelmente, será transmitido para a sociedade.

O Relações Públicas com credibilidade sinaliza para o repórter a certeza de uma boa matéria, completa e correta. Um assessor bem informado não se restringe ao conhecimento da organização onde atue. Pelo contrário, busca ampliar o leque de conhecimentos, a fim de compartilhá-lo com o repórter. Dessa maneira, ganha a empresa, o Relações Públicas, a imprensa, o leitor e toda a sociedade.

Procedimentos essenciais de um Relações Públicas (Assessor de Comunicação)
  1. Ter sempre em mãos uma agenda atualizada;
  2. Manter o telefone celular ligado e suas redes sociais conectados;
  3. Dar retorno a cada veículo que procura a Assessoria;
  4. Manter contato regular com as redações para acompanhar o fluxo de informações e o horário de fechamento das edições;
  5. Inteira-se dos assuntos e rumos da instituição que Assessora;
  6. Cultivar a paciência e a tolerância assegura um bom convívio com todos e contribui para a qualidade do trabalho. 
Passamos a maior parte do tempo nos comunicando através de quatro formas básicas: falar, escrever, ler e ouvir, mas a habilidade de ouvir é quase sempre esquecida. Para o Relações Públicas, ouvir não é só uma forma de atenção ou cortesia. É o único meio de saber o que as pessoas querem, a fim de poder atendê-las.

Sabendo ouvir, você melhora seu desempenho, obtém informações novas, que o auxiliam a fazer melhor aquilo que já faz, e ainda ajuda a evitar mal entendidos.

Twitter: @rpmanaus

Referência:
SARAIVA, Nilzete. Em contato com Mídia (Manual do Assessorado). Manaus-Am: Texto pronto e Novo Tempo, 2009.