O que rolou na mesa: RP e os movimentos que fortalecem a profissão, no Fórum de Comunicação e Tecnologia?

O Fórum, que tem como foco as relações públicas, aconteceu pela primeira vez nesse ano, 2016. Foi organizado pelo Versátil RP e realizado na FAPCOM, em São Paulo, no dia 26 de setembro, onde estivemos presentes na mesa “RP e os movimentos que fortalecem a profissão”, fomos representados pela nossa diretora de criação, Nathalya Brandão.

foto1

O debate foi mediado por Cláudio Andrade, presidente do CONRERP 2ª região, e contou também com a participação de Amanda Takassiki (Todo Mundo Precisa de um RP, de São Paulo, SP), Ana Carolina Eloy (Relacione-se, do Rio de Janeiro, RJ), Maurity Cazarotti (Blog RP e PP, de Uberlândia, MG), Tuane Nicola (Fantástico Mundo RP, de Santa Maria, RS), Florilson Santana (RP Depressão e RP Salvador, de Salvador, BA), além do próprio Versátil RP, com a Taís Oliveira.

Teve início às 20h30 (horário Manaus) e participamos via Hangout. Num primeiro momento, o mediador introduziu o debate falando de como precisamos ser mais humanos para, assim, aproximar as pessoas do que queremos, precisamos de relacionamento. Depois de cada palestrante ser apresentado, o espaço foi cedido para que os mesmos pudessem falar um pouco das histórias de seus movimentos pró-RP.

Aos estudantes que assistiam ao encontro, pôde-se perceber que a maioria sente que o mercado de trabalho ainda é injusto com a profissão, não foram poucos os relatos de que, ao procurarem estágios e emprego na área, as empresas não sabem ainda a importância de um RP na equipe. Diversas opiniões foram discutidas, como a da Ana Eloy, que disse que precisamos reforçar o que é ser um RP. Já Cláudio ressalta que “ainda não somos uma atividade que se reconhece, por isso é importante que os coletivos disseminem” e ainda sugeriu que, se virem alguma empresa passar por cima da profissão, que denunciem, pois é regulamentada e é importante, sim, exigir.

Foto2.jpg

Ao final, foram discutidos alguns assuntos como mudança das diretrizes e flexibilização, onde as opiniões divergiram entre os participantes. O debate se tornou mais eletrizante quando os presentes se posicionaram contra ou a favor, gerando uma discussão saudável acerca do tema.

É sempre gratificante quando somos chamados para participar de eventos em outros estados, é quando percebemos a dimensão de nosso trabalho e o quanto é importante continuar a nossa missão de disseminar as relações públicas. Agradecemos o convite do Versátil RP e a todos que sempre nos acolhem país a fora, e que a profissão continue crescendo cada vez mais. RP é o futuro e o presente também!

foto5

Por Nathalya Brandão, acadêmica de Publicidade e Propaganda e Diretora de Criação da RPManaus.

Fotos retiradas do VersátilRP

A CDL Jovem realiza Dia de Liberdade de Impostos

Nesta quinta-feira (2), a Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem de Manaus (CDL Jovem de Manaus), integrada a CDL Manaus em parceria com o Manauara Shopping lança as atividades do Dia de Liberdade de Impostos (DLI). A abertura será às 9h, no piso Castanheiras, ao lado do Molen Cafés Especiais.

Este ano, em sua 6ª edição, será realizado em um dos maiores centros de compras de Manaus, o Manauara Shopping, mais de 60 lojistas vão retirar os impostos de alguns produtos e vender ao consumidor final com valores reais. Participam da ação lojas de diversos segmentos, como: calçados, vestuários, restaurantes e eletroeletrônicos.

Para o coordenador estadual da CDL Jovem Manaus, Erick Bandeira de Melo, a mudança no formato do DLI, que ao invés de ser realizado em um posto de gasolina será em um centro de compras é uma ruptura que trará maior conscientização sobre a formação da carga tributária juntos aos consumidores. “Antes realizávamos a ação em um posto de gasolina, mas junto as lojas de consumo, serviços e alimentos, vamos atingir um maior número de consumidores”, disse. Ele disse, ainda, que os lojistas vão assumir o valor respectivo ao imposto e colocarão à disposição itens com valores diferenciados.

O DLI acontece há 30 anos e tem como objetivo mostrar à população a incidência de carga tributária embutida nos produtos. Nos últimos anos, o DLI vinha acontecendo no mês de maio, quando, somado desde o dia 1º de janeiro a maio, se tinha os dias úteis trabalhados somente para pagar impostos. “Este ano, devido ao aumento de dias trabalhados, a ação será em junho, e se tem o registro de 154 dias trabalhados para pagar impostos”, disse o vice coordenador da CDL Jovem, Luiz Eduardo Leal. Em 2015, a soma era de 151 dias trabalhados.

Segundo Luiz, mais de 60 lojistas do Manauara Shopping vão participar da ação deste ano “Acreditamos que a população irá gostar muito da ideia”.

Para a lojista e responsável pela ação junto aos empresários no Manauara, Evelise Pessoa, “participar do DLI serve para conscientizar a população dos gastos com a carga tributária e reforça que os empresários não são carrascos, como são considerados, às vezes. Os impostos são altos demais”. Ela informou, ainda, que cada lojista deve colocar ao menos três itens em suas prateleiras sem a cobrança de impostos.

Para o superintendente do Manauara Shopping, Rodrigo Galo, a ação da CDL Manaus, através da CDL Jovem, vem ao encontro com as iniciativas voltadas para o consumidor, similares às que já ocorrem no shopping. “A iniciativa do DLI se alinha com nossas estratégias de beneficiar o cliente e produz ainda uma conscientização, até de cunho político-econômico, diante dos impostos aplicados nos produtos”.

CDL Jovem

A CDL Jovem é um grupo de jovens empreendedores que exercitam e aprimoram seu espírito empreendedor e de cidadania por meio de eventos de networking mobilização e aprendizado. A missão é fortalecer o Movimento Lojista Jovem, através da criação e desenvolvimento das CDLs Jovem para que elas aperfeiçoem os futuros líderes do Movimento Lojista.

Para ingressar ao CDL Jovem é necessário ter idade mínima de 17 anos e no máximo 36 anos e demonstrar capacidade e maturidade para contribuir de forma positiva com o grupo, ser empresário, herdeiro e associado da CDL local.

ITENS % DE IMPOSTOS NO PREÇO
Ar condicionado p/ residência 48%
Bacalhau importado 44%
Bolsa (geral) 40%
Calça jeans 39%
Cerveja 55,60%
Câmera fotográfica 45%
Cigarro 80%
Freezer 45%
Leite 19%
Maquiagem 56%
Óculos (lentes de vidro) 45%
Perfume nacional 69%
Sorvete de massa 38%
Veículo Celta 1.0 37%

Fonte: Fiepr

Lojas: Alemã; Allpe; Alphabeto; Amanda Beauty; Amazon Print; Arcolris; Aramis; Arenito; Adji; Bela Mineira; Bibi; Bobs; Bombons Finos; Bunita; Café do Ponto; Caboquinho; Calvin Klein; Capodarte; Colcci; Concorde; Clube Melissa; Di Donna; Dona De Si; Dress To; Dry Up; Drugstore; Dumond; Fatia Grill; Granada Beach; Hering; Hitech; Schutz; Hobby Brinquedos; Ibox Assistência; Jogê; Kipé; Levi’s; Jaqueline Chagas; Maria Filó; Malwee; Mariposa; Mr Cat; Objeto De Papel; Pet Dreams; Pry Up; Puc; Reserva; Risotto Mix; Sidewalk; Sinabella; Sketch; Spililik; Sublime; Sucuri; Track e Field; Via Mia; Via Uno; Vr; Victor Hugo; Wishes; Yogumania.

Entrevista com o Relações Públicas Ricardo Campos

RICARDO CAMPOS
É especialista em Gestão de Negócios e Bacharel em Relações Públicas pelo Centro Universitário de Belo Horizonte-Uni-BH.
Atualmente é Líder de Relações Corporativas de uma instituição de ensino superior particular responsável pela articulação e relacionamento com organizações externas, parceiras e conveniadas, patrocínios e locações.
É conselheiro efetivo do Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas – Conrerp 3ª Região – Minas Gerais – Bahia e Espírito Santo, membro da comissão de Tomada de Contas e Patrimônio e comissão de Comunicação Integrada, liderando a área de comunicação digital (reestruturação do portal, Twitter, Flickr).
Foto: Arquivo Pessoal 
Por: Ana Clarissa

1.Qual é a importância da Profissão de Relações Públicas no mercado de trabalho atualmente?


Acredito que a Profissão de Relações Públicas sempre teve sua importância no mercado de trabalho, pela sua atuação estratégica na comunicação das organizações e nas relações com seus públicos. Mas hoje, no que chamamos de a era do consumidor, onde clientes, fornecedores, parceiros e todos os públicos que se relacionam com uma organização passam a ter voz por meio de canais de comunicação descentralizados e que conseguem com um post impactar os resultados de uma organização, acredito que a profissão potencializa a sua relevância para empresas que pretendem melhorar a comunicação com seus públicos, que necessitam de um trabalho de branding e de prevenção contra crises de imagem. Além disso a profissão tem uma função social que é muito valorizada pelas empresas em projetos de responsabilidade social e sustentabilidade.Vejo que a cada dia aumenta a demanda por bons profissionais que tenham uma visão holística sobre o ambiente corporativo. Na instituição de ensino onde sou Líder de Relações Corporativas, área que integra o setor de 

Comunicação e Marketing da casa, somos ao todo 8 profissionais de Relações Públicas, a maioria em cargos de liderança, sem contar outros profissionais que estão na linha de frente atuando em Endomarketing junto ao Recursos Humanos e outras áreas de atendimento. Este é um exemplo real de que a área está aquecida e de que o mercado necessita de nossos préstimos.

Outro exemplo é o Grupo de Estudos da Comunicação – ECOM, do qual faço parte e que reúne profissionais de grandes empresas como V&M do Brasil, Vale, Coca-Cola, Cemig, Copasa, Cruzeiro Esporte Clube, Fiat, Masb, Unimed-BH, Iveco, ALE, Usiminas, dentre outras. Este grupo se reúne uma vez por mês para discutir as melhores práticas na comunicação corporativa e a presença de relações públicas nas equipes das empresas é intensa.

Portanto o cenário é muito positivo para a profissão e para os profissionais que sabem colocar em prática todo o conhecimento proporcionado pela nossa formação.      

2.Conte-nos um pouco sobre a criação da Fundação  D’Minas Receptivo, Viagens e Turismo Ltda.

A D’Minas Turismo é uma agência de turismo receptivo que tem como cerne de seu trabalho receber turistas nacionais e internacionais para viver momentos inesquecíveis pelas cidades e atrativos turísticos de Minas Gerais.

Nosso escopo é 90% B2B e os outros 10% atendendo consumidores finais. Em apenas dois anos conquistamos parcela significativa do market share com a captação de contas das principais operadoras que atendem o mercado internacional, sendo que hoje atendemos turistas de países latino-americanos, franceses, italianos, espanhóis, alemães, americanos e até russos.

No último ano o aumento de nosso faturamento girou em torno de 60%, um número relevante para uma empresa de apenas 2 anos de vida.

A D’Minas Turismo surgiu da expertise de minha esposa com mais de 15 anos de atuação no mercado de turismo com minha experiência na área de comunicação e gestão. Querendo oferecer um produto diferenciado para o mercado e revolucionando o relacionamento com o trade mineiro aceitamos o desafio de criar a agência. Com muito planejamento e estratégia, além de um projeto de comunicação e marketing diferenciado para o mercado mineiro estamos conquistando nosso espaço e revolucionando toda a cadeia, inclusive a concorrência que sentiu a nossa chegada ao mercado.

Temos uma atuação muito interessante nas mídias sociais, voltada basicamente para divulgação do destino que consideramos ser mais importante que a divulgação da agência. Esta experiência tem nos proporcionado um relacionamento muito positivo com clientes e outros públicos que se interessam por nossas postagens.

Para conhecerem um pouco mais da D’Minas Turismo indico http://www.meadiciona.com/dminasturismo  

3. As novas tecnologias podemos chamá-los também de sociedade digital, ou seja, vivemos numa era de mudanças e impactos tecnológicos, que traz novos conceitos e aprendizados. Na sua opinião existe parte negativa na área da Comunicação Social, com os novos paradigmas do pós modernismo?

Não acredito que as novas tecnologias e a chamada sociedade digital tenham partes negativas para a área de comunicação, mas sim novos desafios o que torna o trabalho do comunicador fascinante.

As novas tecnologias causaram no início um certo desconforto, fazendo que os profissionais fossem instigados a sair do lugar comum e a propor novas soluções no relacionamento com seus públicos, trazendo para a pauta das áreas de comunicação e marketing um componente essencial para o sucesso e perenidade de qualquer organização: a inovação.

As novas tecnologias trouxeram também para o ambiente da comunicação um senso de urgência, pois o consumidor é voraz com as inovações e o que era bom ontem já se torna démodé hoje. Portanto o timing das ações comunicacionais é componente importante para o sucesso de uma campanha por exemplo.

Para as Relações Públicas os desafios são ainda maiores, já que as novas tecnologias propõem um relacionamento em tempo real, com ator social que é extremamente exigente, crítico e que não gosta de esperar muito tempo por uma resposta. Que quer muito mais do que a propaganda, quer se relacionar, se envolver com as marcas.

É um cenário complexo, mas muito interessante para profissionais movidos por desafios.

4.Suas contribuições como conselheiro efetivo do Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas – Conrerp 3ª Região– Minas Gerais – Bahia e Espírito Santo?

Antes das contribuições é importante também falar a respeito de minha entrada para o Conselho, afinal fazer parte desta equipe é uma grande responsabilidade.

Sempre fui um curioso a respeito de temas relacionados a comunicação e sempre participei da maioria dos eventos que ocorriam em Minas Gerais. Nestes eventos acabava me encontrando com o Valdeci, presidente do Conselho, que observando meu envolvimento me convidou para fazer parte da nova gestão 2010/2012 o qual aceitei com muito orgulho.

Fazer parte da gestão do Conselho é realmente um grande desafio e um verdadeiro ato de amor pela profissão, afinal é uma atuação voluntária, de abdicação de parte do seu tempo em prol de uma causa. Se tratando do Conselho de Profissionais de Relações Públicas estes desafios são ainda maiores, pois temos um número irrisório de profissionais registrados em comparação com o número de formados. Como todos sabem o conselho sobrevive e age basicamente com as arrecadações das anuidades e o não registro nos impede de realizar os diversos projetos que fazem parte de nosso planejamento.

Sobre as contribuições, o trabalho no Conselho tem um lado burocrático que é a análise dos processos (pedidos de registro, de baixa, a análise das denúncias e das ações de fiscalização) e outro de relacionamento com os registrados e com a sociedade. Já na nossa chegada foi feito um planejamento e além das análises dos processos fiquei responsável pela readequação do projeto de um novo site que já estava rodando e pela implantação do twitter. O twitter do Conselho já está ativo pelo perfil @Conrerp_3 e o novo site está na fase final de sua implantação. 

O projeto, devido a falta de recursos, não será o que aspirávamos, mas é uma ferramenta mais moderna e mais usual para o relacionamento com nossos registrados. Faz parte de nossos projetos a análise e implantação de outros canais de comunicação e relacionamento, como o Facebook do conselho. Além disso temos participado de ações e visitas em faculdades ou recebendo grupos de alunos na sede do Conselho.

Ao longo desta trajetória no Conselho o senso de contribuição para nossa categoria é muito intensa, mesmo frente a todos os desafios e críticas que surgem a cada momento. Acredito que todo o profissional deveria passar por esta experiência.  

5. Qual é o papel das Relações Públicas em relação a sociedade?

As Relações Públicas, como já citado, tem uma relevante função social que se reflete no diálogo das organizações com seus públicos e em ações que promovam a articulação, educação e envolvimento em torno de projetos sociais e de sustentabilidade.

A atuação da profissão nas organizações públicas e privadas são propicias para interlocução com a sociedade e para os processos de democratização e cidadania.

Hoje a sociedade espera que as organizações tenham uma atuação que esteja além de seus produtos e serviços, uma atuação mais responsável. Assim a profissão pode atuar por meio de parcerias intersetoriais, de campanhas de conscientização e de iniciativas cidadãs que promovam a paz, a justiça social e o respeito ao meio ambiente.

6. Por fim, algumas dicas para os novos profissionais de Relações Públicas?

Como disse o mercado está aberto para bons profissionais, mas é necessário ter uma boa formação, capacidade crítica e cultural, estar envolvido com as melhores práticas do mercado, estar aberto ao aprendizado.

Muitos recém-formados acham que a fase de aprendizados acaba com a conclusão da faculdade, mas é justamente ao contrário. Este é momento de se envolver ainda mais com a área, com a leitura e com os profissionais, facilitado hoje pelas mídias sociais. É importante também a educação continuada, uma especialização é muito valorizada no mercado de trabalho. 

Minha dica para os profissionais é atuarem com máxima qualidade e eficácia nas ações a que se propõem, garantindo a visibilidade e o reconhecimento a que nossa profissão faz jus. Somente com uma atuação estratégica e de resultados seremos reconhecidos como uma profissão forte e necessária para as organizações e para o mercado.
Portanto mãos a obra.    
Sucesso, Ricardo Campos!